Um Olho Atento

As origens étnicas e o arco sócio-político do Baluchistão são contextualizados neste relato detalhado

Paquistão: O Enigma do Baluchistão Tilak Devasher Harper Collins Índia 392 páginas `899

The Balochistan Conundrum é um tratado convincentemente analisado sobre a maior e mais escassamente povoada província do Paquistão. Dividido em seis seções, o livro começa com uma visão panorâmica da geografia, demografia e mosaico étnico da terra. O autor analisa em profundidade as origens etimológicas do Baloch e a configuração demográfica-territorial única que evoluiu na província. Os brahui, de origem étnica dravidiana do sul e áreas centrais, misturaram-se aos pashtuns do norte. Os colonos Punjabi chegaram aos distritos contíguos do oeste. Os hazaras vieram das partes setentrionais da Província da Fronteira Noroeste e até mesmo do Afeganistão, como nômades, como os próprios Baloch. Mas, infelizmente, eles tiveram que enfrentar a perseguição sectária endêmica nas mãos de radicais sunitas, muitas vezes sob instigação mal dissimulada do Estado. Esta análise corrobora o ex-diplomata paquistanês Ashraf Jehangir Qazi, que a descreveu já em junho de 2010, como uma política desastrosa de contar com pashtuns e não-locais para conter as aspirações baseadas em queixas de Baloch.



Na seção II, o autor investiga as memórias históricas indeléveis da narrativa de Baloch, que fomentou sua alienação. A traição do Khan de Kalat (Mir Ahmed Khan) em 1947-48 por Quaid-e-Azam Jinnah é totalmente pintada de preto, assim como as insurgências pós-ascensão de 1958 (lideradas por Nawab Nauroz Khan, que se tornou um símbolo da o movimento de independência Baloch) e 1962 (liderado pelo marxista Sher Mohammad Marri). O levante de 1973 foi esmagado da forma mais implacável, com o Exército do Paquistão metralhando até mesmo áreas habitadas por civis durante a batalha de Chamalang de 1974.

A Seção III traz à tona a marginalização sistemática econômica, política e administrativa de seu povo. O autor cita claramente um Livro Branco oficial do Departamento de Finanças do governo provincial do Baluchistão para descrever as garras da pobreza e privação em que as pessoas comuns se encontravam, mesmo 70 anos após a independência.



quantos tipos de vegetais existem

Atrativamente intitulada 'Gambito chinês', a Seção IV trata do desenvolvimento do porto de Gwadar e do estrategicamente importante Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC), que foram anunciados como divisores do jogo para o Paquistão. A escassez endêmica de água que a região enfrenta, o planejamento inadequado do Estado para administrar déficits de infraestrutura e outras dificuldades administrativas, agindo com pressa para consolidar ganhos geoestratégicos, mesmo que apenas para obrigar uma China dominadora, revelam como sonhos grandiosos ainda podem escorregar entre a taça e lábio, enquanto toma o cálice dourado da ajuda chinesa. A seção V examina o fenômeno das pessoas desaparecidas. O trabalho hercúleo da Voz das Pessoas Desaparecidas de Baloch (VBMP) de Mama Qadeer Baloch e sua Longa Marcha de Quetta a Islamabad de outubro de 2013 são descritos aqui. Casos específicos de desaparecimentos e assassinatos são detalhados, incluindo o da proeminente ativista pelos direitos das mulheres, Sabeen Mehmud, em Karachi, em abril de 2015, depois que ela ignorou avisos para cancelar uma discussão sobre o assunto.



Dois pequenos capítulos agregam grande valor ao livro, lidando com o dilema enfrentado pelo judiciário e pela mídia no enfrentamento do problema de Baloch. O judiciário olhou com desconfiança, infelizmente apenas de forma intermitente, para o envolvimento e culpabilidade das agências de segurança do estado nos desaparecimentos forçados de ativistas Baloch. A mídia esporadicamente levantou sua voz sobre a misteriosa eliminação até mesmo de nacionalistas Baloch moderados, por milícias que apareceram repentinamente, como o Baloch Musallah Defai Tanzeem (BMDT), que possivelmente estiveram por trás dos assassinatos da ativista popular Maula Baksh Dasti e do famoso poeta, Habib Jalib Baloch, em julho de 2010.

O desafio separatista na província, tanto no aspecto político quanto na insurgência, é examinado na Seção VI. Nacionalistas balúchis moderados como Akhtar Mengal expressaram suas queixas com bastante frequência, mas encontraram pouco auxílio, apesar das promessas piedosas. Com grande perspicácia, o autor explica as causas e a natureza mutante da insurgência, em que os separatistas finalmente romperam com a tutela de Baloch Sardars, com líderes educados da classe média como o Dr. Allah Nazar da Frente de Libertação Baloch (BLF) liderando o caminho. Em janeiro de 2006, o alegado estupro de Shazia Khalid, uma médica que trabalhava para a companhia Sui Gas, por um capitão do exército, Hammad, ofendeu fortemente os códigos morais tribais Baloch. O estabelecimento militar abafou o caso. As coisas chegaram ao auge em agosto de 2006, com a morte de Sardar Akbar Bugti em uma ação militar arrepiante.

Depois de seu trabalho seminal, Courting the Abyss, Devasher resume este tomo contundente enfatizando que o enigma do Baluchistão resultou da tentativa do Estado de resolver militarmente um sério problema político; em vez de usar o toque delicado de um cirurgião, o Paquistão pode usar um cutelo de açougueiro.



Este trabalho é facilmente o estudo mais abrangente e oportuno do Baluchistão feito por um estudioso indiano. Ele abordou este assunto de uma maneira que deve beneficiar todos os estudantes sérios que desejam compreender as complexidades e angústias que assolam esta infeliz província do Paquistão.

diferença entre abeto e abeto

Banerji é ex-secretário especial, secretariado de gabinete