Fumar maconha aos 15 anos ou antes pode levar à perda de memória

Aqueles que não fumaram até os 21 anos provavelmente não desenvolverão um hábito para toda a vida.

fumar maconha, perda de memória, fumar maconha, adolescentes, fumar maconha, maconha, doenças respiratórias, fumar maconha, Indian Express, Indian Express NewsOs alunos que fumam grandes quantidades de cannabis têm notas mais baixas e têm pior desempenho na escola. (Fonte: Thinkstock Images)

Uma equipe de pesquisadores canadenses descobriu que os adolescentes, que começam a fumar maconha com 15 anos ou menos, podem sofrer prejuízo cognitivo de longo prazo, perda de memória, doenças físicas e respiratórias.



Os resultados, publicados na revista Health, mostram que usuários jovens, que fumaram maconha, relataram o maior impacto em sua saúde física e mental e aqueles que não fumaram até os 21 anos, provavelmente não desenvolverão um hábito para a vida ou apenas fumarão maconha em absoluto.

A força-tarefa descreve esses benefícios para tirar a maconha das mãos de criminosos, tributá-la e garantir que a qualidade do produto seja preservada, disse o autor principal, Dr. James McIntosh.



Precisamos começar a coletar dados para ver quais são os efeitos em pessoas de todas as idades, acrescentou McIntosh.
Pesquisadores da Concordia University em Montreal, Canadá, analisaram dados da Pesquisa Canadense de Tabaco, Álcool e Drogas de 2013, e duas outras, para determinar os efeitos do uso de cannabis na saúde física e mental autorrelatada.



Os resultados indicaram que, quando o uso começou abaixo dos 15 anos, a droga causou prejuízo cognitivo, perda de memória, diminuição do QI, sucesso educacional limitado e probabilidade de desenvolver doença mental.

Aqueles que começaram a fumar maconha com 17 anos ou menos tiveram uma chance média 62,5% menor de receber o diploma do ensino médio.

Os alunos que fumam grandes quantidades de cannabis têm notas mais baixas e têm pior desempenho na escola.



Fisicamente, os primeiros usuários também sofreram taxas mais altas de doenças respiratórias e certos tipos de câncer e também podem aumentar a probabilidade de uso habitual a longo prazo.

Os pesquisadores sugeriram que programas educacionais, serviços de aconselhamento e um sistema de distribuição poderiam ajudar a minimizar o uso por jovens.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.

árvore que tem flores roxas