Revelado: ‘Como as mutações genéticas podem causar diabetes 1’

Os cientistas finalmente desvendaram o mistério de 40 anos de como certas mutações genéticas levam ao diabetes tipo 1.

Em uma importante descoberta que pode abrir caminho para um tratamento mais eficaz para o açúcar no sangue, os cientistas finalmente desvendaram o mistério de 40 anos de como certas mutações genéticas levam ao diabetes tipo 1.



Há 40 anos, as pessoas procuram o mecanismo que liga o antígeno leucocitário humano (HLA) à autoimunidade.

Este estudo oferece um grande salto no entendimento e sugere um novo alvo para intervir no diabetes tipo 1, disse o professor Luc Teyton, que liderou uma equipe no Scripps Research Institute.



O novo estudo se concentra no tipo 1, ou diabetes insulino-dependente, uma doença rapidamente progressiva dos jovens que leva a níveis elevados de açúcar no sangue, coma e morte se não for tratada com insulina de reposição, relatou o jornal ‘Biology and Nature’.

que tipo de planta é essa



Em seu estudo, os cientistas queriam saber em um nível molecular como as mutações na máquina de vigilância imunológica poderiam levar ao diabetes tipo 1.

Estávamos interessados ​​em tentar entender por que certas moléculas de MHC (que são moléculas em camundongos análogas às moléculas de HLA em humanos) estão ligadas a doenças auto-imunes, particularmente diabetes tipo 1, disse o co-cientista Adam Corper.

Em particular, queríamos saber por que um único resíduo na posição 57 na cadeia ß das moléculas de HLA parece estar ligado à doença, acrescentou.



Então, a equipe usou uma série de estudos estruturais e biofísicos para responder a essa pergunta.

Os cientistas descobriram que as mutações causadoras do diabetes mudaram a carga em uma das extremidades do sulco de ligação do peptídeo do MHC. Em indivíduos não predispostos a diabetes tipo 1, as moléculas de MHC geralmente têm um resíduo carregado negativamente na posição 57.

Em contraste, as moléculas de MHC causadoras de doenças têm resíduos neutros na posição 57 e, conseqüentemente, a região circundante é mais carregada positivamente.



O resultado dessa mudança molecular foi que as moléculas de MHC mutadas selecionaram um subconjunto único de células T que se ligaram a ele fortemente, com maior afinidade. Essas células T podem reagir de forma exagerada e potencialmente identificar os peptídeos próprios como perigosos, em vez de inofensivos.

Descobrimos que a região MHC em torno da posição 57 pode ser vista pelo receptor de células T. Essa é a grande novidade do artigo pela primeira vez, mostramos que não é apenas essencial para a ligação de peptídeos, mas também crítica para a seleção de células T. Finalmente, temos uma ideia de por que essas moléculas de MHC estão associadas a doenças, disse Teyton.

Adicionado Corper: O que temos aqui é potencialmente uma forma de quebrar a 'tolerância' - o mecanismo em que o sistema imunológico não responde a si mesmo. Obviamente, se isso quebrar, você pega uma doença auto-imune.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.