Um novo documentário narra a jornada do rock ‘n’ roll na Índia

O documentário de oito capítulos também segue as bandas dos anos 90 - Parikrama, que abriu para o Iron Maiden, e Oceano Índico, que fazia rock em hindi.

EscaladaThe Circus in a still from Rockumentary

Quando a lendária banda de rock The Police veio à Índia para se apresentar no Rang Bhawan em Bombaim em 1980, a antecipação da chegada da formação icônica da banda - Sting (voz e baixo), Andy Summers (guitarra) e Stewart Copeland (bateria) - teve os corações batendo e os membros batendo forte. Organizado por um grupo de mulheres parsi, que constituíram o Time and Talent Club local, o concerto teve como objetivo arrecadar fundos para crianças pobres na Índia. As mulheres entraram em contato com a banda por meio de uma agência com sede na cidade, que contatou o agente de Sting, e o resto, como dizem, é história. Os ingressos foram vendidos imediatamente, para grande surpresa das mulheres. Pois eles pensaram que tinham convidado uma banda policial / militar da Grã-Bretanha, com canções marciais a reboque e não uma das bandas mais formidáveis ​​do mundo.



O incidente está documentado no Rockumentary de Abhimanyu Kukreja, um jornalista que virou cineasta, um filme de 79 minutos que narra a jornada do rock 'n' roll na Índia e como os músicos indianos criaram seu próprio estilo ocidental de música. Quando comecei minha pesquisa em 2007, não havia nada disponível. Foi um projeto de curiosidade. Nós conhecíamos histórias do rock ocidental, mas eu me perguntava sobre histórias de nosso próprio país. Ficamos tão obcecados por Bollywood que esquecemos que também existe outra forma de arte, diz Kukreja, que acrescenta que toda a pesquisa foi feita boca a boca, onde um telefonema levou a outro. Agora há consciência, diz Kukreja, de Dharamshala, que cresceu em Bhopal.

EscaladaAbhimanyu Kukreja

Co-produzido por Saurav Dutta e Elizabeth Coffey, o filme reúne pedaços da história por meio de entrevistas e imagens de arquivo. Kukreja começa sua jornada com Calcutá da década de 1930. Foi quando a Capital da Índia Britânica era o centro de bandas de jazz e a população anglo-indiana tocava jazz em hotéis e uma série de clubes. Foi também quando Pushkal Bahadur Budaprithi, um jovem trompetista de Katmandu, chegou à cidade da alegria e voltou para casa. Ele encontrou uma oportunidade de tocar com Teddy Weatherford Band. Eles o chamavam de George Banks, que se tornou um dos primeiros músicos não ingleses a ser incluído nas apresentações de jazz. Seu filho Louis Banks é um famoso músico de jazz. Kukreja, então, nos apresenta a Iqbal Singh, um cantor Sikh, que se fez passar por Elvis Presley e cantou e dançou como ele. Foi quando índios educados locais foram para Trincas, Magnolia, Blue Fox e Flurry’s, entre outros. Ele nos leva pelos anos 60, o mundo de bandas como The Mustangs, The Jets e The Savages. Este último também foi a primeira banda a conseguir um contrato de gravação com a Polydor, tornando-se a primeira banda indiana a gravar em inglês. Remo Fernandes, de Goa, um dos membros do The Savages, diz no filme, Rock ‘n’ roll era para os índios expostos à educação e cultura ocidental, que era para pessoas ricas. A acessibilidade veio de canais de rádio como Voice of America e Radio Rangoon. Os anos 70 e 80 foram repletos de Jazz Yatras de Niranjan Jhaveri.



O documentário de oito capítulos também segue as bandas dos anos 90 - Parikrama, que abriu para o Iron Maiden, e Oceano Índico, que fazia rock em hindi. O idioma não era uma barreira de repente. Embora houvesse muita música original em inglês, agora havia também o som do rock emparelhado com hindi, bengali e malaiala, entre outros. Adaptamos nossas línguas com um som ocidental e funcionou, diz Kukreja, que acrescenta que a chegada da MTV também ajudou.



Há entrevistas com Louis Banks, a lenda baseada em Shillong Lou Majaw, Usha Uthup, Rahul Ram, Susmit Bose, Luke Kenny, Uday Benegal, Nandu Bhende do Savage Encounter e Neel Chattopadhyay do Atomic Forest, a primeira banda de rock psicodélico conhecida da Índia. A história conta que Keith Kanga, da Atomic Forest, usou dinheiro do bordel de sua tia para começar a banda. A narração em estilo de mestre de cerimônias de garganta cheia e a presença de Kukreja em muitos quadros é muito perceptível. Eu me inspirei em filmes como Exit Through the Gift Shop e queria seguir esse formato, diz ele.

Ele encerra o filme destacando as bandas da atualidade, como The Local Train e Avial, que estão recebendo muita atenção online e offline. E eles não cantam em inglês. É assim que o rock ‘n’ roll evoluiu, diz Kukreja.