Interruptor neuronal que desliga o desejo de beber compulsivo

A dependência do álcool pode ser revertida com o objetivo de uma rede de neurônios, diz a pesquisa.

reverter a dependência do álcool, visando neurônios para superar a dependência do álcool, o alcoolismo e a atividade cerebral, curando a dependência do álcoolEstudos anteriores mostraram que o uso frequente de álcool pode ativar grupos específicos de neurônios. (Fonte: imagens Thinkstock)

Os pesquisadores descobriram que a desativação de uma rede de neurônios ligados ao álcool pode desligar o desejo de beber compulsivamente.



Pode haver uma maneira de desligar o desejo de beber compulsivamente, de acordo com um novo estudo em modelos animais liderado por cientistas do The Scripps Research Institute (TSRI).

Podemos reverter completamente a dependência do álcool alvejando uma rede de neurônios, disse o pesquisador principal Olivier George, professor assistente do The Scripps Research Institute (TSRI) em San Diego, Califórnia.



As descobertas, publicadas no The Journal of Neuroscience, baseiam-se em estudos anteriores que mostram que o uso frequente de álcool pode ativar grupos específicos de neurônios.



Quanto mais uma pessoa bebe, mais ela reforça a ativação no circuito neuronal, que então conduz ao uso e dependência do álcool.

Para o novo estudo, os pesquisadores investigaram se havia uma maneira de influenciar apenas os neurônios selecionados que formam esses circuitos.

Em humanos e ratos, esses neurônios constituem apenas cerca de cinco por cento dos neurônios na amígdala central do cérebro.



Para o experimento atual, os pesquisadores criaram modelos de ratos com dependência de álcool que expressavam uma proteína especial para distinguir apenas os neurônios ativados pelo álcool.

Os ratos deram aos pesquisadores uma nova janela em potencial sobre como esses circuitos se formam no cérebro humano, onde os neurônios ligados ao álcool são mais difíceis de identificar sem o uso de rótulos de proteínas.

Os ratos foram então injetados com um composto que poderia inativar especificamente apenas os neurônios ligados ao álcool.

aranha marrom com longas patas dianteiras



George disse que ficou surpreso ao ver esses ratos pararem completamente de beber álcool compulsivamente, uma mudança que durou enquanto os ratos eram monitorados.

Nunca vimos um efeito tão forte que durasse várias semanas, disse George.

Os pesquisadores realizaram o experimento uma segunda e depois uma terceira vez. Cada vez, os ratos paravam de beber compulsivamente.



É como se eles tivessem esquecido que eram dependentes, observou George.

Curiosamente, esses ratos ainda estavam motivados a beber água com açúcar, indicando que os pesquisadores tinham como alvo apenas os neurônios ativados pelo álcool, não o sistema de recompensa geral do cérebro.

Os ratos também pareciam estar protegidos dos sintomas físicos negativos da abstinência do álcool, como tremores.

O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.