Pessoas canhotas mais propensas a serem ateus

Os pesquisadores identificaram pessoas que eram canhotas ou tinham autismo ou esquizofrenia e examinaram se eram mais ou menos propensas a serem religiosas. Ele descobriu que havia uma associação 'fraca, mas significativa' entre ser canhoto e não ser religioso.

canhoto, canhoto e ateísmo, canhoto e crença em deus, características da pessoa canhota, expresso indiano, notícias expresso indianoA falta de crença em Deus está ligada a mutações genéticas que causam atributos como canhotos ou autismo. (Fonte: Thinkstock Images)

Pessoas canhotas têm maior probabilidade de serem ateus, de acordo com um estudo que sugere que pessoas religiosas têm menos mutações genéticas. Pesquisadores da Universidade de Oulu, na Finlândia, disseram que em tempos pré-industriais a religiosidade era transmitida como outros atributos genéticos porque estava associada a maior estabilidade, saúde mental e melhor comportamento social.



A falta de crença em Deus está ligada a mutações genéticas que causam atributos como canhotos ou autismo, de acordo com estudo publicado na revista Evolutionary Psychological Science. Pessoas religiosas modernas provavelmente descendem de pessoas que eram altamente religiosas nos tempos pré-industriais, disseram os pesquisadores. Em contraste, ateus e crentes no paranormal, desproporcionalmente, nunca teriam atingido a idade adulta ou nunca teriam nascido, porque essas crenças, embora muito diferentes, são parcialmente uma expressão do colapso da seleção e, portanto, do aumento da carga mutacional, eles disseram.

Os pesquisadores identificaram pessoas que eram canhotas ou tinham autismo ou esquizofrenia e examinaram se eram mais ou menos propensas a serem religiosas, relatou 'The Telegraph'. Ele descobriu que havia uma associação fraca, mas significativa, entre ser canhoto e não ser religioso, e uma mais forte entre autismo e não ser religioso. Estudos estabeleceram anteriormente que cerca de 40 por cento da religiosidade de alguém é determinada geneticamente.



O artigo acima é apenas para fins informativos e não se destina a substituir o conselho médico profissional. Sempre procure a orientação de seu médico ou outro profissional de saúde qualificado para qualquer dúvida que possa ter sobre sua saúde ou condição médica.