Cultura com um clique

Como uma plataforma aberta encontra novas maneiras de contar histórias. Trechos de uma entrevista com Sudha Gopalakrishnan, Diretor Executivo, e S Ramadorai, Presidente, Corpo Governante da Sahapedia.

S Ramadorai e Sudha Gopalakrishnan

Um recurso online aberto fundado em 2011, Sahapedia é uma mina de conteúdo visual e arquivístico sobre as artes, cultura e patrimônio da Índia. Com o passar dos anos, fez crowdfunding e curadoria de materiais e conduziu mapeamentos culturais de regiões. O primeiro lote de bolsas Sahapedia-UNESCO terminou na semana passada, onde mais de 100 doutorandos e graduados estiveram envolvidos na documentação primária e curadoria de conteúdo. Trechos de uma entrevista com Sudha Gopalakrishnan, Diretor Executivo, e S Ramadorai, Presidente, Corpo Governante da Sahapedia:



Como o casamento de arte, cultura e patrimônio com o espaço digital ajudou?

S Ramadorai (SR): Estamos contando histórias em um novo meio por meio de entrevistas com autoridades vivas. Posso contar a história, mas pode haver mais algumas facetas nela, para que outros possam adicionar, portanto, ela está crescendo continuamente.



Sudha Gopalakrishnan (SG): O meio digital dá o poder de caminhar por um monumento na tela. As pessoas podem saber sobre o complexo do templo Brihadeeshwara em Thanjavur, mas quantos o experimentaram? Com a Sahapedia, eles podem caminhar pelo templo, ver as esculturas, entender a culinária e assistir a entrevistas com arqueólogos e historiadores. Ele ganha vida dessa maneira.

Sahapedia, Sahapedia-UNESCO Fellowship, S Ramadorai, Sudha Gopalakrishnan, discurso expresso indianoJami Masjid em Champaner



Você já trabalhou com o setor privado (Tata Consultancy Services) e também com o governo (Assessor do PM no Conselho Nacional de Desenvolvimento de Competências), você acha que a parceria público-privada na manutenção dos monumentos é uma boa ideia?

SR: Acho que é uma ideia fenomenal. O grupo Tata financiou a restauração da Biblioteca da Universidade de Bombaim (Biblioteca e Torre do Relógio Rajabhai), Durbar Hall da Biblioteca Asiática, restaurou propriedades do patrimônio à sua glória e as devolveu à cidade. No caso do Forte Vermelho, eles não estão comprando a propriedade e destruindo-a. A restauração está com o governo, a manutenção pode ser dada a empresas para atrair turistas.

A restauração do patrimônio tangível tem o olhar das autoridades e das pessoas, você acha que o patrimônio imaterial recebe tanta atenção?



SG: Não acho que devemos olhar para isso como uma cultura tangível e intangível. O termo 'intangível' entrou recentemente em uso, mas eu gostaria de chamá-lo de cultura vivida. Um monumento era um lugar vivido, com seus costumes e vida social, e estes são componentes de uma cultura unificada.

Você está satisfeito com a abordagem do governo em relação à preservação da cultura?

SG: O governo tem alcance público, mas não há abertura em suas instituições. Eles acumularam muitas informações, mas se você pedir, é regido por direitos autorais e o acesso é restrito. É por isso que somos uma plataforma aberta.



Como seus projetos tiveram impacto?

SR: Isso agrega valor à identidade de um artista que vive em uma região remota. Se alguém quiser pesquisar, pode obter material de primeira mão aqui.

planta moses no berço

Quais são seus planos?



SR: No futuro, queremos ir para territórios mais inexplorados, por exemplo, muito mais intensamente para o Nordeste, e mapear a cultura em Chhattisgarh.